6 de setembro de 2011

Eu não escrevo poesia

Não escrevo poesia porque não gosto do formato, mas tenho meu poeta favorito: o heterônimo Alberto Caeiro, de Fernando Pessoa. E um dos meus versos favoritos dele são:

Pensar incomoda como andar à chuva 
Quando o vento cresce e parece que chove mais. 

Não tenho ambições nem desejos  
Ser poeta não é uma ambição minha  
É a minha maneira de estar sozinho.  


Atualmente, gosto de escrever prosa de forma poética. Um texto com palavras meticulosamente escolhidas para gerar o efeito poético. Uso as palavras para revelar um pouco do que eu sinto e a fotografia para registrar as coisas que me impressionam de alguma forma. E o resultado são as fotografias de palavras ou a poesia visual, como a confiança quebrada nessa xícara.



Nenhum comentário: